12/10/2023 às 08h30min - Atualizada em 12/10/2023 às 08h30min

Projeto “Escritores do Cárcere”, do TJRN, participa da Bienal do Livro de Pernambuco

TJRN Notícias
Retirada do site

O projeto “Escritores do Cárcere”, do Tribunal de Justiça do RN, está presente na 14ª edição da Bienal do Livro de Pernambuco, que acontece até domingo (15/10), no Centro de Convenções de Pernambuco, em Olinda. No último sábado (7), um dos painéis da Bienal foi dedicado a apresentar o projeto, dando voz aos escritores, que tiveram sua passagem pela prisão ressignificada pela potência que apresenta a leitura e a escrita.

O “Escritores do Cárcere” foi representado pelo juiz Fábio Ataíde e pela servidora do Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário e Socioeducativo (GMF), Guiomar Veras, levando também o egresso Newton Albuquerque e a policial penal Dalvanete Alves – os dois últimos, autores contemplados pela iniciativa, que tem por finalidade incentivar a leitura e a escrita nos contextos de prisão.

O projeto já viabilizou a publicação de três livros e tem outros 16 em produção para publicação, escritos por pessoas em privação de liberdade no regime fechado. Egresso da Penitenciária Estadual de Alcaçuz, onde cumpriu 10 anos de pena, Newton Albuquerque foi o pioneiro no projeto, com o título “A Escolha Errada”. Já a policial penal Dalvanete Alves está com seu primeiro livro a ser publicado, por meio do qual dará voz a quase 20 mulheres em privação de liberdade, cujas histórias dialogarão no livro, reunidas pela escritora.

A Bienal Internacional do Livro de Pernambuco é considerada a terceira maior feira de livros do país e a “principal referência editorial do Norte e Nordeste”. Além do painel dedicado, os livros já publicados pelo projeto Escritores do Cárcere estão expostos a venda durante todo o período da Bienal, na Unilivreira, grande apoiadora do projeto.

O projeto Escritores do Cárcere é mais uma iniciativa do Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário e Socioeducativo (GMF), no sentido de contribuir com a humanização do sistema carcerário e socioeducativo, a partir do atendimento às recomendações do CNJ, em especial da Resolução CNJ n. 391/2021, que define a remição de pena por meio de práticas sociais educativas.

No ano de 2021, o Projeto Escritores do Cárcere também levou o Rio Grande do Norte à participação na 2ª Jornada de Leitura no Cárcere, evento online promovido pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), em parceria com o Observatório do Livro e da Leitura, que reuniu mais de 2,5 mil pessoas em todo o país, contando com especialistas, apresentação de iniciativas de acesso ao livro e à leitura a pessoas privadas de liberdade e de espaço de trocas entre o poder público, movimentos sociais, autores e pessoas privadas de liberdade, que também acompanharam o evento ao vivo.

Fonte: TJRN


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp