19/01/2023 às 11h37min - Atualizada em 19/01/2023 às 11h37min

UFRN é alvo de operação da PF que investiga desvio de recursos federais

ação tem por objetivo apurar possíveis crimes relacionados ao desvio de recursos públicos federais oriundos do Ministério da Saúde

Policiais federais chegam à UFRN onde cumpriram mandados (Divulgação/PF)
A Polícia Federal, em conjunto com o Ministério Público Federal (MPF) e a Controladoria-Geral da União (CGU), deflagrou na manhã desta quinta-feira (19), a Operação Faraó, que teve como alvo a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). A ação tem por objetivo apurar possíveis crimes relacionados ao desvio de recursos públicos federais oriundos do Ministério da Saúde.
 
Segundo as investigações, no ano de 2017, o Ministério da Saúde transferiu para a instituição de ensino, aproximadamente R$ 165 milhões para ser empregado na prevenção e combate à sífilis. Ainda de acordo com a PF, a UFRN, por sua vez, contratou a Fundação Norte-Rio-Grandense de Pesquisa e Cultura (FUNPEC), mediante dispensa de licitação, para executar dez metas do que ficou conhecido como projeto “SÍFILIS, NÃO!”.
 
Ao longo da execução do projeto, na meta relacionada às ações de publicidade e propaganda, que envolvia recursos da ordem de R$ 50 milhões, foram verificados indícios da prática de diversos tipos de delitos, como: fraude à licitação, falsidade ideológica, peculato e lavagem de dinheiro, com  atuação direta de inúmeras empresas do segmento publicitário, além de possível envolvimento de servidores públicos.
 
Números
 
Cerca de 90 policiais federais estão cumprindo 21 mandados judiciais de busca e apreensão expedidos pela 2ª Vara Federal/RN. Além de Natal, a Operação Faraó acontece nas cidades de São Paulo/SP, Balneário Camboriú/SC e Brasília/DF.
 
Em nota, a UFRN informa que foi comunicada da operação e que está disposta a colaborar com o que for necessário. Confira a íntegra da nota.
 
Confira a nota da UFRN na íntegra:
 
A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) foi comunicada, na manhã desta quinta-feira, 19 de janeiro, sobre a operação da Polícia Federal, na Fundação Norte-Rio-Grandense de Pesquisa e Cultura (Funpec) e no Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde (LAIS), sobre a utilização de verbas do Ministério da Saúde, que foram transferidas em 2017 e utilizadas em projeto do LAIS. A instituição buscará mais informações sobre o assunto e reforça que está à disposição para colaborar com o que for solicitado.
 
O Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde (LAIS/UFRN) também se posicionou.

Confira a nota do LAIS:
 
Em virtude da execução da operação da Polícia Federal, Ministério Público Federal e Controladoria Geral da União, em que o Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde (LAIS/UFRN) é citado, afirmamos que:
Todos os projetos e ações realizadas pelo LAIS e seus pesquisadores são de conhecimento da sociedade e das autoridades, uma vez que regularmente apresentamos informações aos órgãos de fiscalização e controle.
A transparência sempre foi uma de nossas marcas.
Com muita tranquilidade, estamos à disposição das autoridades para todos os esclarecimentos necessários.
O LAIS reafirma o seu compromisso com o desenvolvimento de ações direcionadas para a qualidade da saúde pública, com ética e responsabilidade, ratificando a inexistência de ilicitudes.
Agradecemos a todos pela colaboração.



Com informações da Polícia Federal e Tribuna do Norte
 

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp