24/08/2022 às 12h34min - Atualizada em 24/08/2022 às 12h34min

MPRN aciona Justiça por ampliação do público-alvo em concurso da PM

Edital exigiu diploma de bacharelado em Direito. Para o Ministério Público, exigência é incompatível com o princípio do amplo acesso aos cargos públicos

Mandado de segurança do MPRN quer ampliar público-alvo de concurso da PM (Tag/MPRN)
O Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) ingressou com mandado de segurança no qual solicita que a Polícia Militar (PM) reabra o prazo de inscrições para o concurso de oficiais da corporação. O documento pede que seja inserida no certame a possibilidade de inscrição para candidatos com diplomas de nível superior em qualquer área. Pelo atual edital do concurso, somente bacharéis em Direito podem participar.
 
O mandado de segurança possui pedido de liminar. Isso porque a realização do exame intelectual (provas objetiva e discursiva) está previsto para o dia 4 de setembro próximo. Para o MPRN, não se mostra razoável a ampliação do público-alvo do concurso após a aplicação das provas, dados os custos que recaem sobre a Administração (elaboração e impressão das provas, designação dos locais para acomodação dos candidatos e movimentação do aparato de fiscalização) e sobre os candidatos (deslocamento para os locais das provas).
 
O MPRN reforça que a reabertura do prazo de inscrição do concurso acarreta apenas um redimensionamento da quantidade das provas, dos locais de sua aplicação e da equipe de fiscalização. Ainda segundo o Ministério Público, as mudanças serão custeadas com os valores das taxas de inscrição, o que pode ser feito, dependendo da agilidade da banca organizadora, até mesmo sem o adiamento da primeira etapa do certame.
 
“Mesmo que o adiamento se mostra imperioso, pior cenário é a hipótese de manter o cronograma inicial e futuramente reconhecer que milhares de pessoas aptas ao cargo em disputa não participaram do concurso, porque a decretação da invalidade da regra editalícia que os excluía veio tarde demais”, diz trecho do mandado de segurança.
 
Para o MPRN, o eventual indeferimento da liminar poderá prejudicar milhares de outros interessados na disputa por uma vaga, que “deixaram de fazer a inscrição no concurso por não se sentirem propensos ao litígio individual, o que ocorre por diversos fatores, que vão desde o desconhecimento da questão da inconstitucionalidade do edital até a hipossuficiência econômica”.
 
O Ministério Público frisa, ainda, que o atual edital do concurso público, por trazer requisito de escolaridade destoante das atribuições do cargo em disputa e, portanto, incompatível com o princípio do amplo acesso aos cargos públicos, está sujeito à anulação em sede de mandado de segurança a partir do controle difuso de constitucionalidade do dispositivo legal que lhe dá suporte.
 
Destaca também que o artigo 37, inciso I, da Constituição preconiza que “os cargos, empregos e funções públicas são acessíveis aos brasileiros que preencham os requisitos estabelecidos em lei, assim como aos estrangeiros, na forma da lei”.
 
O mandado de segurança pede a anulação dos itens 2.3, 3.1.VIII, 3.2.e e 9.6.4.1.i do Edital n 02/2022-PMRN, substituindo o diploma de bacharel em Direito pelo diploma de graduação em nível superior, nos graus bacharelado ou licenciatura, em qualquer área, como requisito de escolaridade previsto para o concurso público.



Com informações do MPRN

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp