26/07/2022 às 19h12min - Atualizada em 26/07/2022 às 19h12min

TJRN afasta improbidade em acusação de falsidade ideológica

Corte julgou caso de lançamentos falsos de frequência de servidores na Escola Estadual General Dióscoro Vale

Os desembargadores da Câmara Criminal do Tribunal de Justiça (TJRN) negaram provimento ao recurso do Ministério Público, que pedia a revisão de decisão anterior do TJRN. Em fevereiro deste ano, a Corte julgou o caso de lançamentos falsos de frequência de servidores na Escola Estadual General Dióscoro Vale, em Natal.

O fato que, conforme a ação, caracterizaria o crime de falsidade ideológica, previsto no artigo 299 do Código Penal. Segundo a apreciação do colegiado, embora o MP sustente suposta omissão na análise relacionada à escassez de provas, não é o que o órgão julgador entende do que foi devidamente consignado no acórdão anterior, a apelação criminal inicial, apreciada pelos desembargadores.

De acordo com a denúncia do órgão ministerial, foram lançados dados em documentos de frequência de servidores, nos quais foram registradas informações falsas em documento público, na medida em que, através da assinatura das folhas de frequência, declarava-se, falsamente, perante a Administração Pública, que uma servidora estaria em gozo regular das suas funções, quando, na verdade, havia acordado com a diretora afastamento irregular de suas atividades.

Dessa forma, os servidores, segundo a ação penal originária, teriam recebido seus proventos regularmente, mas se afastaram de suas funções injustificadamente na Escola Estadual General Dióscoro Vale, com conhecimento e anuência da então diretora.

Para os desembargadores, não há qualquer elemento indicador, com certeza suficiente, para a condenação por ato de improbidade administrativa que, ao tratar da ausência de um dos réus, por exemplo, os depoentes não se referiam ao período de uma licença legal, sobretudo porque os depoimentos prestados extrajudicialmente não foram corroborados sob o crivo do contraditório e ampla defesa.

Ainda conforme a Câmara, assim como no acórdão anterior questionado, não foi comprovada a prática de ato de improbidade praticado pela outra servidora, consistente em fraude ao sistema de controle de frequência mantido na Escola Estadual, nos meses de setembro, outubro e novembro de 2009, vez que nenhuma das testemunhas, "ainda que de relapso", narra ter tido conhecimento de qualquer afastamento da ré.

"Logo, ao clamar por um novo olhar sobre o conteúdo dessas provas, o Ministério Público tão só busca provocar a rediscussão da matéria, sendo a via escolhida, contudo, imprópria e inadequada às pretensões", enfatiza o desembargador Saraiva Sobrinho. (Fonte: TJRN)

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp